Archive | Julho 2009

Mais uma ideia sobre Hamburgo

Ensinaram-me um dia que cada coisa só existe por oposição a outra.

O branco só existe por oposição ao preto será uma forma simples de colocar a questão. Mas também aprendi que o mundo não é um lugar simples.

Aprendi por exemplo que o mundo é tão complexo que para os esquimó existem 6 palavras para dizer branco. E que cada branco esquimó se opõe ao outro porque cada um significa determinada característica do gelo onde vivem.  Se a nossa vida dependesse disso como a deles também teríamos um branco de casa caiada que se opunha ao branco do azulejo e por ai fora.

E, assim, entramos neste mundo complexo em que este post só é possível porque o A se opõe a B; o B a C; e por ai sucessivamente formando um complexo abecedário. Uma cadeia de valor onde cada elo só ganha o seu valor quando comparado ao que o rodeia. Onde cada letra só faz sentido porque as restantes 20 e tal não fazem sentido naquele lugar.

Entramos num mundo ainda mais complexos quando analisamos que os movimentos Nacionalistas só ganharam sentido por oposição a um fluxo rápido (vertiginoso na altura) de bens, pessoas e informação – era o inicio do movimento global.

Ainda mais complexo quando pensamos que todo o pensamento que não é de esquerda, então, é porque é de direita.

Onde só há Declaração de Hamburgo porque há um partido Pirata.

Poder testemunhar o surgimento de dois movimentos como Hamburgo e Piratas é um privilégio da nossa geração. Eles irão ser ambos tão longos e estruturantes como a esquerda e a direita. Estes dois movimentos poderosos  garantirão à humanidade a possibilidade de disfrutar todas as tonalidade de cinzento que se pode obter entre o preto e o branco.

Não concordo com uma nem concordo com a outra e por isso resta-me agradecer a ambas as partes o esforço de se combaterem mutuamente para garantir o equilíbrio.

Sugiro a leitura de Anthony Giddens, O mundo na Era da Globalização.