Copos onde não há leite

“A rede de telemóveis já estava montada quando se vendeu o primeiro…”

Poderá ser verdade mas o busílis da questão não é esse.

Quem tem televisões preparadas para a TDT é um consumidor com um determinado perfil que inclui forçosamente o rendimento disponível que lhe permitiu a aquisição dessa televisão e alguma simpatia pelo meio em si que, se justificou essa compra, justificará também a contratação de serviços pagos a qualquer operador de rede ou plataforma(Cabo, IPTV ou DTH).

Logo, todos esses estão excluídos do universo de hipotéticos compradores de STB para ver os 4 canais FTA – já os têm através de qualquer assinatura.

Restam então dois tipos de consumidores de TV:

  1. Os que não têm dinheiro para assinar serviços pagos de Tv.
  2. Os que têm muito dinheiro. Tanto que assinam vários serviços de TV por motivos que podem ir das questões tecnológicas ao querer ver o canal Benfica no Meo e o TVI24 na Cabo.

Estes últimos irão quase de certeza comprar uma STB por 150€ (tecto máximo para as STB com pause, PVR – personal vídeo record, etc.).

Mas os primeiros, aqueles que não têm dinheiro e por isso só vêm os 4 canais FTA, são 80% da população (segundo o anuário da ANACOM).

Os telemóveis entraram assumidamente no mercado com uma estratégia de desnatação – Caso Nokia.  enquanto a TDT neste ponto faz a desnatação de copos onde muitas vezes nem há leite quanto mais nata.

E este é o busílis da questão.

Não se trata de acusações de pecado ou de fiasco… trata-se simplesmente de constatações e dúvidas.

Quanto às STB só poderão ser subsidiadas pelo Estado caso exista subsidiação de TODAS as STB do mercado porque o Estado não pode subsidiar equipamento de acesso a uma rede privada em detrimento de outras rede privadas. Com ou sem Golden Share.

Existem 40M€ da PT destinadas a subsidiação de STB.

Coloco inclusivamente a hipótese de o lugar em aberto a fabricantes de STB na parceria com a TDT se dever a negociações falhadas devido aos preços de lançamento.

Quanto ao seu fabrico, desconheço se serão o João Gonçalves Zarco ou Tristão Vaz Teixeira mas agrada-me muitíssimo a hipótese de serem fabricadas em Portugal.

Garantia criação de postos de trabalho e desenvolvia o nosso sector tecnológico – se assim fosse daria mais facilmente 99€ pela STB. Estaria a contribuir para o desenvolvimento do pais em vez de estar a contribuir, com margens gigantes, para o enriquecimento fácil dos que se limitam a importar STB da China ao preço da chuva e a fazer o negócio da China cá.

Anúncios

2 responses to “Copos onde não há leite”

  1. Jota says :

    Veja o preço em Espanha de uma STB básica, metade do preço planeado por cá!

Trackbacks / Pingbacks

  1. “Copos onde não há leite” « BLASFÉMIAS - 05/05/2009

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: